AltoQi

Inclusão de estacas no modelo

Escrito em 15 de jun de 2018 por: , na categoria: Novos recursos, Release 4

Dando continuidade ao conjunto de recursos que agregam novas soluções para fundações, no release 4 foi implementado o recurso que possibilita incluir as estacas no modelo, permitindo obter uma análise mais refinada da estrutura com a interação solo-estrutura, nas situações em que forem definidas fundações do tipo blocos sobre estacas ou tubulão.

Segue abaixo um resumo das diretrizes e das implicações do novo recurso:

  • A consideração das estacas no modelo será válida para o caso das fundações lançadas pelo novo comando de lançamento de fundações, em que o usuário define previamente a quantidade de estacas do bloco, o espaçamento entre as estacas e a altura do bloco:

Figura 1 – Nova opção para consideração das estacas no modelo

 

Neste ponto é importante esclarecer a diferença conceitual entre as fundações lançadas pelo novo comando e as fundações lançadas pelo comando antigo, que foi renomeado para “Pilar de fundação” nas novas versões.

Basicamente, o novo comando deve ser utilizado quando o projetista pretende, de fato, incluir as fundações no modelo estrutural como um todo, dimensionando-as de forma a interagir com os demais elementos estruturais (ligando a viga diretamente no bloco, por exemplo) e/ou considerando a interação solo-estrutura no modelo (caso a configuração “Considerar estacas no modelo”, ilustrada no diálogo acima, esteja marcada).

Por sua vez, o comando para lançamento do pilar de fundação, que permite lançar as fundações da mesma forma que nas versões anteriores, pode ser utilizado quando deseja-se somente incluir as fundações para receber carregamentos da estrutura e dimensionar os blocos (sem análise da interação com as estacas).

  • Alterações nas configurações

Com os novos recursos, o botão “Apoio elástico padrão”, disponível no menu “Configurações – Análise” passou a se chamar “Modelo da fundação”, concentrando as opções que permitem definir os parâmetros a serem adotados na consideração das estacas no modelo:

Figura 2: Configuração “Modelo da fundação” (nova versão)

Observe que agora, além das opções para definir o apoio da fundação, foram adicionadas opções para tubulões e estacas de discretização e número mínimo de divisões verticais do elemento no modelo. No caso dos tubulões esta opção já existia, mas estava disponível no menu “Configurações – Dimensionamento – Blocos – Tubulão”.

Além das opções de discretização no modelo, foram incluídas novas opções para considerar o atrito entre o solo e o fuste do elemento, e, uma vez que esta opção estiver marcada, será possível definir ainda se a rigidez das molas do fuste será constante ou linear.

Figura 3 – Configurações para definição da rigidez das molas do fuste

Construção do modelo de fundação com estacas

Com a inclusão das estacas no modelo, o usuário poderá definir a rigidez das molas do fuste de forma semelhante ao que já era feito para os tubulões, com a definição do coeficiente de recalque vertical do solo. Além disso, deverá ser informado também o vínculo da ponta (que nada mais é do que o “vínculo do apoio” das versões anteriores) e as camadas de solo:

Figura 4 – Parâmetros para inclusão das estacas no modelo

Em relação à construção do modelo, o programa passará a representar as estacas através de elementos lineares, com dimensões iguais ao comprimento total da estaca (a partir das camadas definidas pelo projetista). No caso de blocos com mais de uma estaca, estas serão ligadas ao bloco por meio de barra rígida, da mesma forma como já era realizado anteriormente para os tubulões.

Figura 5: Representação das estacas no pórtico

Em relação à rigidez da mola do fuste, poderá ser definida como constante ou linear, sendo adotado o coeficiente “kz” da mola que varia conforme o coeficiente de recalque vertical, perímetro da seção da estaca e discretização, além do comprimento total da estaca e profundidade do solo no local de medição da rigidez da mola.

Para complementar este assunto, sugerimos os seguintes artigos técnicos disponíveis em nosso blog Mais engenharia

Se você gostou do conteúdo acima leia também

Comentários

20 respostas para “Inclusão de estacas no modelo”

  1. BORIS CASANOVA SOKOLOVICZ disse:

    Muito boa a implementação. Espero faz tempo pela evolução na Interação Solo Estrutura.
    Release 4 promete.

  2. RENATO AURELIO CAPURUÇO COSTA disse:

    Maravilha… está previsto a utilização de dados de ensaio de solo, SPT, para obtenção automática dos coeficientes de rigidez / recalque do solo das correspondentes camadas ?

    • MARCUS VINICIUS FERREIRA VERGA disse:

      Acredito que os coeficientes de mola será um dado que teremos que fornecer para cada camada, igualmente hoje nos tubulões.

      • Engº Ronaldo Parisenti disse:

        Bom dia Renato,
        A entrada de dados dos coeficientes será conforme comentou o Macus (será um dado de entrada).

        • RENATO AURELIO CAPURUÇO COSTA disse:

          Entendo. Então … Fica a sugestão então de se criar a possibilidade de entrar com os dados do SPT e, atraves de uma tabelinha à parte configurável pelo eng-usuário, o aplicativo poder fazer o relacionamento entre as grandezas SPT x Coef. Recalque automaticamente. Poder-se-ia, até, epnsar em vários ensaios de SPT por projeto, e o aplicativo calcularia a média das camadas ou associaria um determinado dado a um ou mais pilares.

          Pergunta: Os dados inseridos da “camada de solo” será efetivo por cada pilar, ou por projeto (todos os pilares) ? Ou melhor, será necessário inserir as camadas para cada bloco, repetitivamente tantas vezes forem a quantidade de blocos c/ estacas, ou o aplicativo considerará os dados já inseridos ?

          • Engº Ronaldo Parisenti disse:

            Boa tarde Renato,
            As estacas de um mesmo bloco terão sua configuração de “camada de solo”. Caso queira aplicar estas camadas de solo para demais blocos, poderá utilizar o comando “copiar dados”, copiando apenas esta informação da “camada de solo”.

            Quanto a sugestão de entrar com os dados do SPT, entendida e registrada.

  3. RENATO AURELIO CAPURUÇO COSTA disse:

    Na caixa de diálogo, haveria a possibilidade de configurar o ângulo das bielas ? Ou, pelo menos infomar que ângulo está sendo considerado dados o espaçamento das estacas e altura do bloco ?

    • Engº Ronaldo Parisenti disse:

      Bom dia Renato,
      O ângulo não será configurado.

      • RENATO AURELIO CAPURUÇO COSTA disse:

        Será, pelo menos, informado pelo aplicativo ao eng-usuário qdo o mesmo realizar a entrada de dados ? Ou mesmo, depois dos dados entrados, como informação extra (e, não-configurável) ? Ou, continuará pertecendo à caixa-preta do aplicativo, escondido do eng-usuário ? (Essa é que eu acho ser a minha dúvida principal…)

        • ROGER SCAPINI MARQUES disse:

          Tem razão, Renatão! O programa facilmente poderia representar graficamente as bielas consideradas para os cálculos. Essa representação em formato de T invertido é um desperdício.

  4. RENATO AURELIO CAPURUÇO COSTA disse:

    Essa funcionalidade valerá também para os blocos com pilares excêntricos ?

  5. RENATO AURELIO CAPURUÇO COSTA disse:

    Sobre o recurso de “Estacas Isoladas” … quanto ao modelo de análise … é mais semelhante a um pilar isolado (carga axial) do que propriamente uma estaca. Como este recurso aqui proposto se aplica ao recurso existente de “Estaca Isolada” ?

  6. RPM ENGENHARIA SC LTDA disse:

    Neste novo modelo, será possível visualizar os diagramas de esforços nos elementos de fundação, estacas e tubulões, para efetuar os respectivos dimensionamentos do elemento estrutural estaca e tubulão.

    • JEANCARLO RIBAS disse:

      Certamento terá como visualizar, porém acredito que o dimensionamento das mesmas será automático. Não tem lógica desenvolver a análise estrutural e depois de tudo pronto não dimensionar…

      • RPM ENGENHARIA SC LTDA disse:

        Bom dia Jeancarlo Ribas.

        Também assim espero… mas gostaria muito de ter os diagramas de esforços nos elementos de fundações disponíveis.

        Abs.

      • Engº Ronaldo Parisenti disse:

        Bom dia JeanCarlos,
        Nesta versão do Eberick Next não terá o dimensionamento das estacas. Neste momento, o objetivo é possibilitar novas opções de análise, por vezes mais completas, para que se possa refinar os estudos do modelo sempre entender que isso é necessário.
        Este recurso, sem dúvida, abre um leque de possibilidades de novas ferramentas para dimensionamento e detalhamento de fundação, contudo, não estão previstos nesta versão do Eberick.

    • RENATO AURELIO CAPURUÇO COSTA disse:

      Eu não gosto da representação gráfica desses diagramas do eberick. Nao é isso que aprendemos tanto na escola quanto nos livros e como utilizamos na vida profissional e nos comunicamos entre profissionais. Além disso, é uma representação “pesada” graficamente. Seria muito mais interessante representar por setas e segmentos de retas, como estamos acostumados, e condicionados.

  7. MARCUS VINICIUS FERREIRA VERGA disse:

    Teria alguma data prevista para lançamentos deste release?

  8. LARA BONIFACIO E SILVA disse:

    Só faltou para a análise solo-estrutura a possibilidade de inclusão dos dados de ensaios SPT, como número de golpes e tipo de solo, para conseguirmos já incluir também o dimensionamento de estacas e refinar ainda mais a interação.

    Poderiam lançar o video tutorial para exemplo de aplicação e análise.

    Obrigada

Deixe uma resposta